Disidrose nos Pés: como evitar e tratar as bolhas de água

A disidrose nos pés são as famosas bolhas de água. Entenda melhor como e porque essas bolhas de água se formam nos pés, além de como tratar e evitar esse problema.

Disidrose nos pés evitar tratar

Com o calor chegando, é possível o surgimento da disidrose nos pés, doença bastante comum em dias quentes por causa do suor excessivo nos pés.

Mas o que é isso, de fato? Nada mais são do que aquelas pequenas bolhas de água que qualquer pessoa pode ter, seja homem, mulher, adulto ou criança.

Contudo, ela costuma acontecer mais entre pessoas que lidam com dermatite atópica, rinite alérgica e, também, nos atletas.

Essas bolhas de água no pé, também chamadas de vesículas, podem causar desconforto e o principal deles se dá pela coceira.

Mas, além disso, elas podem igualmente ser doloridas. Normalmente, são provocadas por más noites de sono, alimentação desequilibrada, estresse, reações alérgicas, suor excessivo ou pelo ácido úrico em excesso.

Além da coceira e dores, a doença também pode ter outros sintomas, incluindo:

  • irritação da pele;
  • ressecamento;
  • descamação; e
  • fissuras.

E, em casos mais graves, as bolhas podem formar pus, ao invés de água.

Apesar de parecer bastante óbvio conseguir identificar a doença quando ela acontece, a ajuda profissional é necessária para diagnosticar, tratar e entender a causa do problema, corretamente.

Não existe, falando nisso, um exame específico para identificar a disidrose nos pés, mas o médico saberá do que se trata, ou seja, se é o caso de disidrose ou não, através de uma análise do histórico clínico e questionamento dos sintomas.

Caso haja suspeita de presença de fungos, aí sim poderá ser realizado um exame micológico.

Os profissionais que podem tratar dessa questão são:

  • clínico geral;
  • podólogo; ou,
  • dermatologista, que é o mais indicado.

Como tratar a disidrose nos pés

Como tratar disidrose nos pés

Essa alergia, de certa forma, pode causar algumas complicações, como as dores e as coceiras, que podem inviabilizar o uso de mãos e pés, além do aparecimento de bolhas com pus.

Por isso, o tratamento da disidrose nos pés é de extrema importância. E por falar em coisas importantes, vale ressaltar: nunca estoure as bolhas nos pés.

Quer saber o motivo pelo qual não se deve estourar as bolhas de água no pé? Isto é o recomendado porque, ao estourar, geram uma abertura na pele que permite a entrada de bactérias e vírus, aumentando, assim, os riscos de provocar uma infecção.

O combate aos agentes causadores costuma ser feito através de corticóides ou antifúngicos (ou uma combinação de ambos).

Mas existem algumas opções mais “caseiras”, que podem ser usadas para aliviar os sintomas, como:

  • gel de aloe vera (babosa);
  • polpa de abacate;
  • compressa de água gelada;
  • algodão úmido com vinagre de maçã.

Outra informação que é importante saber é que a doença não tem cura. Apesar de os sintomas e as bolhas de água desaparecerem completamente com o tratamento, não há garantias de que ela não vá aparecer novamente.

Quem tem ou já teve esse problema estará sujeito a tê-lo novamente. Então, é necessário tomar precauções e aprender como evitar o surgimento de novas bolhas.

Como evitar bolhas de água no pé

As bolhas de água nos dedos costumam se formar por conta de um excesso de ácido úrico no pé, como já falamos.

Mas então, como prevenir e evitar que ela apareça novamente?

Algumas das melhores opções e cuidados mais efetivos são:

  • evitar sapatos apertados;
  • escolher meias de material sintético, lã ou polipropileno;
  • deixar os pés respirarem, sempre que possível;
  • não deixar os pés úmidos;
  • hidratar com creme antes de dormir;
  • evitar exposição a químicos e metais (que podem causar reações alérgicas);
  • usar sabonetes neutros ou suaves.

A partir destes cuidados, a disidrose nos pés dificilmente irá voltar a aparecer e pode-se ficar tranquilo com a prática de esportes, mesmo durante os dias mais quentes do verão.

Material enviado com sucesso!

Em alguns instantes você vai receber os materiais na caixa de entrada do seu e-mail. Caso não receba, lembre-se de conferir o SPAM ou Lixo eletrônico.

O que você achou do post?

3 Respostas

Deixe seu comentário